Verme faz caracol cometer suicídio para perpetuar a espécie


por Fábio Paschoal 

Caracol infectado pelo verme Leucochloridium paradoxum. É possível observar os parasitas se movimentando dentro do hospedeiro – Foto: Thomas Hahmann/Creative Commons

Caracol infectado pelo verme Leucochloridium paradoxum. É possível observar os parasitas se movimentando dentro do hospedeiro – Foto: Thomas Hahmann/Creative Commons

Até onde você iria para garantir o futuro dos seus filhos? O verme parasita Leucochloridium paradoxum entra em um caracol, promove uma transformação física no gastrópode (mesmo grupo das lesmas e nudibrânquios) e o leva a cometer suicídio. Tudo para assegurar a continuidade da espécie. Mas como isso é possível?

[Veja também o post Vespa-joia transforma baratas em zumbis para criar seus filhotes]

Primeiro, um caracol come os excrementos de um pássaro infectado com ovos de Leucochloridium paradoxum. Quando os ovos eclodem, os vermes seguem para os tentáculos oculares da vítima. É possível ver a movimentação dentro do corpo do caracol. Os parasitas, que se parecem com grandes cones inchados e pulsantes, passam a controlar o cérebro de seu hospedeiro.

O caracol segue, como se estivesse hipnotizado, em direção às plantas mais altas, em busca da luz (normalmente prefere lugares sombreados). Exposto, ele está condenado.

No topo das árvores, o caracol é facilmente observado. Seus tentáculos pulsantes chamam a atenção das aves como se fossem um letreiro de fast food. A forma dos vermes confundem os predadores que acham que estão diante de uma larva, uma iguaria muito apreciada entre os pássaros.

Quando o caracol é consumido, o parasita entra no trato digestivo da ave e se desenvolve até a fase adulta. O verme libera os ovos que serão expelidos junto com os excrementos do hospedeiro.

Os ovos caem em uma folha e serão ingeridos pelo caracol que se alimentar dos excrementos da ave infectada. O ciclo de vida do Leucochloridium paradoxum está completo, e uma nova geração de vermes pode seguir controlando as mentes de caracóis indefesos.

Veja o vídeo que mostra todo o processo

Fonte: National Geographic Brasil 

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s