Ararinha-azul: inseminação artificial ajuda espécie extinta na natureza a voltar à Caatinga


por Fábio Paschoal

1
Filhotes de ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) que nasceram esse ano na AWWP – Foto: AWWP

O Plano de Ação Nacional para Conservação da Ararinha-azul, coordenado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), acaba de ganhar um reforço na luta para devolver a espécie, extinta na natureza, à Caatinga. A Al Wabra Wildlife Preservation (AWWP) – instituição que mantém um programa de reprodução em cativeiro para as aves no Qatar e é parceira do Projeto Ararinha na Natureza – anunciou o nascimento dos primeiros filhotes da arara mais ameaçada do mundo a partir da inseminação artificial. A técnica pode aumentar o sucesso reprodutivo das aves.

O sêmen de machos selecionados foi coletado e examinado por pesquisadores da AWWP e da Parrot Reproduction Consulting. As amostras viáveis foram inseridas nos ovidutos de fêmeas que estavam prontas para serem fecundadas. Sete ovos foram gerados e transferidos para uma incubadora imediatamente após a postura. Depois de sete dias foi constatado que dois deles continham embriões em desenvolvimento. Os ovos férteis foram separados e monitorados diariamente. Após 26 dias de incubação os filhotes nasceram.

“Há cinco anos, a inseminação artificial para a ararinha-azul era algo impossível. Graças aos esforços da Al Wabra Wildlife Preservation e da Parrot Reproduction Consulting esse feito se tornou realidade e nos deixa mais perto de reintroduzir a ararinha-azul na natureza”, destacou o coordenador de espécies ameaçadas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ugo Vercillo. Para ele, a inseminação artificial da ave é um grande passo no processo de reintrodução da espécie na Caatinga.

2
Neumann, o primeiro filhote de ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) gerado com a técnica de inseminação artificial – Foto: AWWP

O primeiro filhote foi batizado de Neumann, uma homenagem ao veterinário Daniel Neumann, membro da Parrot Reproduction Consulting e especialista em reprodução do Plano de Ação Nacional para a Conservação da Ararinha-azul. “Já realizei muitas inseminações artificiais em psitacídeos nos últimos anos, mas nenhuma foi tão especial quanto essa com as ararinhas-azuis. Ainda garoto, acompanhei o desaparecimento da última ararinha-azul na natureza e era meu sonho estar envolvido com a conservação desta espécie. Agora fui a pessoa que realizou a primeira inseminação artificial com sucesso. Ainda é difícil entender, mas isto me faz bem”, conta o pesquisador emociona.

A AWWP espera repetir a técnica de reprodução no Brasil em parceria com a Nest – responsável por dez dos onze indivíduos no país – e o governo brasileiro. Se tudo correr bem, a ararinha-azul poderá sair da lista de animais extintos na natureza e voltar a colorir os céus da Caatinga.

Veja o vídeo (em inglês) que mostra o procedimento:

(Observação: são mostrados quatro filhotes no vídeo. Dois nasceram com a técnica de inseminação artificial e dois pelo método tradicional de reprodução)

3
Casal de ararinhas-azuis em cativeiro

Fonte: National Geographic Brasil

Anuncios

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s