As aranhas mais estranhas e bonitas do mundo


por Melissa de Miranda

São mais cores, olhos e pernas do que se possa contar. As aranhas causam tanto fascínio, quanto horror entre os humanos. Os entusiastas chegam a pagar centenas de dólares por uma tarântula P. metallica, de pelos roxos e azuis. Enquanto os mais sensatos fogem para longe das treze manchas vermelhas que a viúva-negra mediterrânea carrega no abdômen.

Pequenas e controversas, elas habitam nossos jardins com discrição, tecendo sem ser notadas e nos poupando muitas vezes de insetos indesejados. Algumas destas teias, como o ziguezague em cruz da Argiope sp., ainda intrigam cientistas. Já o ritual de acasalamento da aranha-pavão merece plateia, revelando-se um colorido espetáculo de proporções milimétricas.

As aranhas são donas dos abdomens mais exuberantes do reino animal e reunimos aqui, em uma galeria de fotos, 20 espécies que você não pode deixar de conhecer. Confira!

Com menos de cinco milímetros e cores ostensivas, as belas aranhas-pavão (Maratus volans) recebem este nome graças ao seu ritual de acasalamento. Assim como as aves, o macho ergue a parte colorida do abdômen, que se abre como uma aba, junto ao terceiro par de pernas. A dança exótica atrai as fêmeas.
Com menos de cinco milímetros e cores ostensivas, as belas aranhas-pavão (Maratus volans) recebem este nome graças ao seu ritual de acasalamento. Assim como as aves, o macho ergue a parte colorida do abdômen, que se abre como uma aba, junto ao terceiro par de pernas. A dança exótica atrai as fêmeas. Foto: Jurgen Otto/Creative Commons
De abdômen bicolor, esta pequena aranha é a Colaranea viriditas, uma espécie endêmica da Nova Zelândia.
De abdômen bicolor, esta pequena aranha é a Colaranea viriditas, uma espécie endêmica da Nova Zelândia. Foto: Tony Wills/Creative Commons
A aranha Kerengga (Myrmarachne plataleoides) é uma espécie asiática que mimetiza uma formiga. Os machos, como este na foto, têm as quelíceras alongadas e as usam como uma espécie de espada em suas disputas. Já as fêmeas são discretas e mais parecidas com a formiga Kerengga (Oecophylla smaragdina).
A aranha Kerengga (Myrmarachne plataleoides) é uma espécie asiática que mimetiza uma formiga. Os machos, como este na foto, têm as quelíceras alongadas e as usam como uma espécie de espada em suas disputas. Já as fêmeas são discretas e mais parecidas com a formiga Kerengga (Oecophylla smaragdina). Foto: Challiyil Eswaramangalath Vipin/Creative Commons
A pequena Gasteracantha falcicornis faz parte de um colorido grupo de aracnídeos conhecido como “espinhosas”. Inofensivas aos humanos, estas espécies são famosas por seus escudos pontudos.
A pequena Gasteracantha falcicornis faz parte de um colorido grupo de aracnídeos conhecido como “espinhosas”. Inofensivas aos humanos, estas espécies são famosas por seus escudos pontudos. Foto: Nick Hobgood/Creative Commons
Para saber se um Mopsus mormon é macho, basta observar o “topete” de fios pretos no topo da cabeça, acompanhado sempre por uma curiosa “costeleta” branca nas laterais.
Para saber se um Mopsus mormon é macho, basta observar o “topete” de fios pretos no topo da cabeça, acompanhado sempre por uma curiosa “costeleta” branca nas laterais. Foto: Sam Fraser-Smith/Creative Commons
Já as fêmeas Mopsus mormon parecem trajar uma elegante máscara branca, que lembra uma peça rendada e decorada com detalhes vermelhos. Esta espécie é comum na Austrália.
Já as fêmeas Mopsus mormon parecem trajar uma elegante máscara branca, que lembra uma peça rendada e decorada com detalhes vermelhos. Esta espécie é comum na Austrália. Foto: Sam Fraser-Smith/Creative Commons
Araneus marmoreus são aranhas inconfundíveis. O abdômen opulento, com padrões semelhantes aos do mármore, rendeu-lhes o nome de tecedeiras-marmoreadas.
Araneus marmoreus são aranhas inconfundíveis. O abdômen opulento, com padrões semelhantes aos do mármore, rendeu-lhes o nome de tecedeiras-marmoreadas. Foto: John A. McCoy/Creative Commons
Bicho-pau? Olhe de novo. Esta é uma Argyrodes colubrinus, aranha especializada em caçar outras aranhas, como as armadeiras (da família Ctenidae).
Bicho-pau? Olhe de novo. Esta é uma Argyrodes colubrinus, aranha especializada em caçar outras aranhas, como as armadeiras (da família Ctenidae). Foto: Jurgen Otto/Creative Commons
Os palpos da Oxyopes salticus parecem “calçados” em pantufas pretas. Esta espécie integra um grupo conhecido como aranhas-lince e ajuda agricultores brasileiros a controlar pragas nas plantações de soja.
Os palpos da Oxyopes salticus parecem “calçados” em pantufas pretas. Esta espécie integra um grupo conhecido como aranhas-lince e ajuda agricultores brasileiros a controlar pragas nas plantações de soja. Foto: Kaldari/Creative Commons
As extravagantes tarântulas P. metallica ocupam hoje uma área de menos de 100 quilômetros quadrados em uma reserva na Índia e constam como “em perigo crítico de extinção” na lista vermelha da IUCN (International Union for Conservation of Nature).
As extravagantes tarântulas P. metallica ocupam hoje uma área de menos de 100 quilômetros quadrados em uma reserva na Índia e constam como “em perigo crítico de extinção” na lista vermelha da IUCN (International Union for Conservation of Nature). Foto: MLursus/Creative Commons
Os olhos das aranhas-lobo (na foto, uma Hogna sp.) são dispostos de maneira incomum, em três fileiras. A combinação garante uma visão excelente à espécie, que caça à noite.
Os olhos das aranhas-lobo (na foto, uma Hogna sp.) são dispostos de maneira incomum, em três fileiras. A combinação garante uma visão excelente à espécie, que caça à noite. Foto: Thomas Shahan/Creative Commons
Parece um escorpião e até se move como um: quando ameaçada, a Arachnura higginsi chega a curvar a cauda para simular um ataque. Entretanto, não há ferrão ou veneno na outra ponta. É mesmo uma aranha.
Parece um escorpião e até se move como um: quando ameaçada, a Arachnura higginsi chega a curvar a cauda para simular um ataque. Entretanto, não há ferrão ou veneno na outra ponta. É mesmo uma aranha. Foto: Alan Wigginton/Creative Commons
Outra aranha espinhosa é a Micrathena sp., uma exuberante moradora do Equador (foto). As espécies do gênero costumam ser encontradas em florestas densas – inclusive na Amazônia.
Outra aranha espinhosa é a Micrathena sp., uma exuberante moradora do Equador (foto). As espécies do gênero costumam ser encontradas em florestas densas – inclusive na Amazônia. Foto: Geoff Gallice/Creative Commons
A aranha-caranguejo-das-flores (Misumena vatia) faz jus ao nome: exibe alongadas patas dianteiras, camuflada sobre uma aquiléia-mil-folhas (Achillea millefolium).
A aranha-caranguejo-das-flores (Misumena vatia) faz jus ao nome: exibe alongadas patas dianteiras, camuflada sobre uma aquiléia-mil-folhas (Achillea millefolium). Foto: Luc Viatour/www.lucnix.be
Ao invés da ampulheta clássica, a viúva-negra mediterrânica ostenta treze gotas no abdômen (o que originou seu nome científico, L. tredecimguttatus). As fêmeas são igualmente venenosas às suas primas americanas e conhecidas por matar bois em áreas rurais da Europa.
Ao invés da ampulheta clássica, a viúva-negra mediterrânica ostenta treze gotas no abdômen (o que originou seu nome científico, L. tredecimguttatus). As fêmeas são igualmente venenosas às suas primas americanas e conhecidas por matar bois em áreas rurais da Europa. Foto: K. Korlevic/Creative Commons
Os machos Eresus sandaliatus tornaram esta espécie conhecida como aranha-joaninha (as fêmeas são inteiras pretas). Raras, estas aranhas vêm reconstituindo a sua população, após terem sido consideradas extintas no Reino Unido.
Os machos Eresus sandaliatus tornaram esta espécie conhecida como aranha-joaninha (as fêmeas são inteiras pretas). Raras, estas aranhas vêm reconstituindo a sua população, após terem sido consideradas extintas no Reino Unido. Foto: Jorge Almeida/Creative Commons
O macho (menor) e a fêmea Herennia multipuncta parecem espécies completamente diferentes de aranhas.
O macho (menor) e a fêmea Herennia multipuncta parecem espécies completamente diferentes de aranhas. Foto: Kuntner M, Coddington JA/Creative Commons
Talvez as aranhas A. aetherea e A. keyserlingi não sejam assim tão distintas visualmente, mas suas teias contam uma história interessante. O padrão em ziguezague, tecido somente pelas fêmeas, é associado à cruz de Santo André. O apóstolo ficou conhecido na tradição católica por ter sido crucificado em uma estrutura no formato de xis – como a teia da foto.
Talvez as aranhas A. aetherea e A. keyserlingi não sejam assim tão distintas visualmente, mas suas teias contam uma história interessante. O padrão em ziguezague, tecido somente pelas fêmeas, é associado à cruz de Santo André. O apóstolo ficou conhecido na tradição católica por ter sido crucificado em uma estrutura no formato de xis – como a teia da foto. Foto: H. K. Tang/Creative Commons
Com longos “espinhos” localizados na parte de trás de seu escudo, a Gasteracantha dalyi afasta possíveis predadores, entre eles, pássaros.
Com longos “espinhos” localizados na parte de trás de seu escudo, a Gasteracantha dalyi afasta possíveis predadores, entre eles, pássaros. Foto: L. Shyamal/Creative Commons
As aranhas saltadoras (Salticidae), popularmente conhecidas como papa-moscas, podem ser tão pequenas que raramente são notadas. Esta Maratus spicatus, por exemplo, ostenta listras azuis e douradas em seu minúsculo abdômen.
As aranhas saltadoras (Salticidae), popularmente conhecidas como papa-moscas, podem ser tão pequenas que raramente são notadas. Esta Maratus spicatus, por exemplo, ostenta listras azuis e douradas em seu minúsculo abdômen. Foto: Jean Hort e Fred Hort/Creative Commons

Fonte: National Geographic Brasil

Anuncios

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s