Peixe-boi: o conflito entre turismo e conservação


O mamífero marinho prospera em Kings Bay e os turistas adoram nadar com ele. Esse é o problema

por Mel White

A placa de boas-vindas na entrada de Crystal River possui dizeres inusitados: “Informações sobre o peixe-boi: sintonize 1610 AM”. Também não é qualquer cidade que tem defronte à prefeitura, nas cores nacionais, a estátua de um mamífero marinho ameaçado.

Pare o carro, pergunte onde pode ver essas celebridades aquáticas, e lhe dirão que mais de 20 agências de mergulho organizam excursões com snorkel em Kings Bay. Ou você pode alugar um caiaque e remar até uma das fontes termais nas quais os peixes-boi se congregam no inverno. Se preferir observar da terra firme, vá até o canal a oeste da fonte Three Sisters.

No canal, é questão de minutos até que os primeiros peixes-boi passem lá embaixo, pálidos fantasmas na água verde-jade. Desfilam sozinhos ou com um único filhote, às vezes em grupos de três ou quatro. O vaivém de pessoas é constante. “Parece um latão de óleo enferrujado flutuando na água”, comenta um homem.

“Eta bicho esquisito!”, exclama uma mulher com um arrastado sotaque sulista, e ela tem razão. Aquelas formas roliças deslizando sob a ponte nunca vão ganhar concurso de beleza animal. Só mostram uma corzinha nas costas, nas cicatrizes rosadas feitas por pás de hélice de barcos. “Os peixes-boi estão sem espaço”, diz outro homem, olhando o tráfego de embarcações que dividem o canal estreito com os animais. “Essa é a verdade”, lamenta, cabisbaixo. “O lugar vai ficando comercial, e as pessoas não ligam.” Não, senhor. Engano seu. As pessoas ligam, e muito, para os peixes-boi de Kings Bay. Considere, por exemplo, as placas espalhadas pela cidade, anunciando “Salve Crystal River” e “Tirem o Serviço de Pesca e Vida Selvagem de nossas costas”. As pessoas pensam nos peixes-boi mais do que se imagina. Mas a situação é complexa.

Leia mais

O peixe-boi nada próximo à superfície porque emerge da água para respirar. O animal usa seus rijos pelos faciais para levar o alimento à boca
O peixe-boi nada próximo à superfície porque emerge da água para respirar. O animal usa seus rijos pelos faciais para levar o alimento à boca
Peixe-boi marinho em Kings Bay, Flórida
Peixe-boi marinho em Kings Bay, Flórida
Caiaques congestionam a fonte Three Sisters. Para chegar às águas amenas e sobreviver no inverno, os animais às vezes precisam atravessar um corredor polonês de turistas em caiaques ou com máscara de mergulho, ávidos para interagir com esses mamíferos marinhos
Caiaques congestionam a fonte Three Sisters. Para chegar às águas amenas e sobreviver no inverno, os animais às vezes precisam atravessar um corredor polonês de turistas em caiaques ou com máscara de mergulho, ávidos para interagir com esses mamíferos marinhos
Cicatrizes de ferimentos por hélice marcam o peixe-boi abaixo: prova cabal do encontro com um barco. Um quarto das 360 mortes de peixes-boi-da-flórida em 2012 resultou de colisões. As zonas de baixa velocidade ajudam, mas alguns barqueiros se ressentem das restrições
Cicatrizes de ferimentos por hélice marcam o peixe-boi abaixo: prova cabal do encontro com um barco. Um quarto das 360 mortes de peixes-boi-da-flórida em 2012 resultou de colisões. As zonas de baixa velocidade ajudam, mas alguns barqueiros se ressentem das restrições
O Refúgio Nacional de Vida Selvagem de Crystal River é o único lugar nos Estados Unidos onde é permitido tocar nos peixes-boi. Para alguns, isso molesta os animais, e deve ser proibido
O Refúgio Nacional de Vida Selvagem de Crystal River é o único lugar nos Estados Unidos onde é permitido tocar nos peixes-boi. Para alguns, isso molesta os animais, e deve ser proibido
Cientistas e voluntários capturam espécimes para coligir dados como idade, tamanho e condição física
Cientistas e voluntários capturam espécimes para coligir dados como idade, tamanho e condição física
Solitários por natureza, os peixes-boi são forçados à sociabilidade no inverno. Desprovidos da camada de gordura que faz o isolamento térmico nas baleias, eles se aglomeram em fontes tépidas e dutos de descarga de usinas elétricas
Solitários por natureza, os peixes-boi são forçados à sociabilidade no inverno. Desprovidos da camada de gordura que faz o isolamento térmico nas baleias, eles se aglomeram em fontes tépidas e dutos de descarga de usinas elétricas
Filhotes mamam em mamilos localizados atrás das nadadeiras da mãe durante um período de intensos cuidados maternos que pode durar dois anos. Eles nadam ao lado da mãe para aprender a encontrar alimento e refúgio.
Filhotes mamam em mamilos localizados atrás das nadadeiras da mãe durante um período de intensos cuidados maternos que pode durar dois anos. Eles nadam ao lado da mãe para aprender a encontrar alimento e refúgio.
Anuncios

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s